Realização dos exame
Nos estudos de ecografia não é usada radiação, sendo a imagem obtida pelas ondas de alta frequência baseada nos mesmos princípios que envolvem os sonares usados pelos morcegos e pelos navios para a sua orientação.
Quando o som passa através do corpo são produzidos ecos que podem ser usados para identificar a distância do objecto, as suas dimensões e a sua uniformidade.
O doente é posicionado na marquesa sendo-lhe aplicado um gel transparente na área anatómica a estudar afim de permitir um bom contacto da sonda com a pele.
O Médico faz então um varrimento com a sonda enquanto observa as imagens, em tempo real, fotografando as que têm interesse.
O Médico com experiência em ecografia que efectuou o exame analisa as imagens, descreve as alterações e sugere um diagnóstico se for caso disso. O relatório será ditado pelo Médico Radiologista e depois de transcrito, lido e assinado, é entregue ao doente, juntamente com as imagens entretanto registadas.
A ecografia, para além de permitir os estudos acima descritos é usada para auxiliar a guiar procedimentos como Citologias e Biópsias por agulha, na qual se faz recolha de células para estudos laboratoriais.
Os estudos de Ecografia por Doppler permitem avaliar a existência de placas em relação com arterioesclerose, trombos ou tromboses das veias e malformações congénitas dos vasos.
É também a Ecografia Doppler que permite o estudo do coração do feto, avaliação importante para determinar do seu bem-estar.

Limites dos estudos ecográficos
As ondas ultra-sónicas de grande frequência não reflectem claramente no osso nem no ar; para a visualização do osso e do ar (por exemplo pulmões), outras modalidades de imagem serão seleccionadas.
Também não se visualizam capazmente vísceras ocas, nomeadamente estômago e intestino pelo que, caso se suspeite de doença destes órgãos, outros exames deverão ser requisitados.